Export iten: EndNote BibTex

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede2.unicap.br:8080/handle/tede/258
Tipo do documento: Dissertação
Título: Quando se abre a janela: uma compreensão fenomenológica sobre a prática psicológica em uma Policlínica do Recife-PE
Autor: Silveira, Maria do Rosário Cavalcanti da 
Primeiro orientador: Barreto, Carmem Lúcia Brito Tavares
Primeiro coorientador: Walckoff, Simone Dalla Barba
Primeiro membro da banca: Francisco, Ana Lúcia
Segundo membro da banca: Morais, Sílvia Raquel Santos de
Resumo: A prática psicológica é atravessada por determinações institucionais que podem interferir no modo como ela é exercida. Em algumas instituições, a porta de entrada do paciente se configura por uma prática já definida, caracterizada como triagem, voltada para o esclarecimento da queixa com vistas a um encaminhamento, sem a participação dele no processo. Diante de tal quadro, pergunta-se: como os pacientes que procuram atendimento nas Policlínicas, vinculadas aos serviços públicos de saúde, têm sua demanda acolhida? Mais ainda, questiona-se se a prática exercida está em sintonia com a realidade sóciocultural e experiencial do sofrimento trazido como motivo da consulta. Por fim, será viável pensar em modos do fazer psicológico que atendam às reais necessidades da população, apesar dos vieses institucionais? Para problematizar tais questionamentos, a pesquisa desenvolvida teve como objetivo geral compreender a experiência de psicólogos que exercem sua prática em Policlínicas públicas. Para tanto, foi tomada como referência a perspectiva fenomenológica existencial ao modo de Heidegger, e a compreensão de prática psicológica suscitada por tal orientação, e já desenvolvida em outras pesquisas por profissionais vinculados a tal perspectiva. Buscou-se, então, compreender a prática exercida pelos psicólogos lotados na Rede Municipal de Saúde do Recife-PE que atendessem aos usuários de Policlínicas públicas. Foram entrevistadas três psicólogas com mais de quinze anos de experiência atendendo nesses serviços, independente de idade, sexo e orientação teórica. A pesquisa foi de natureza qualitativa, de cunho fenomenológico existencial, e utilizou, como estratégia para colher a experiência das psicólogas, a entrevista/narrativa, que se apresenta como possibilidade de entrar em contato com a dimensão circunscrita das experiências dos profissionais participantes. Foi, também, utilizado o Diário de Bordo da pesquisadora, que contemplou os depoimentos escritos a próprio punho por esta, disposta a compartilhar suas impressões, observações e sentimentos experienciados. Para análise e compreensão das experiências relatadas, foi utilizada a Analítica do Sentido como proposto por Critelli. A pesquisa realizada aponta para a insuficiência da formação acadêmica para o atendimento à demanda de quem procura por atendimento psicológico no contexto da Policlínica; assim como para a falta de clareza quanto à atividade psicológica exercida pelas psicólogas nessa instituição. Tal dificuldade está associada a certo desconforto e incômodo frente às normativas institucionais, a falta de uma rede de apoio articulada e a ausência de uma equipe interdisciplinar. Diante de tal contexto, a pesquisa aponta para desmotivação diante do poder instituído e de um trabalho solitário, sinais que podem indicar a necessidade de repensar a prática psicológica no contexto da saúde pública.
Abstract: The psychological practice is crossed by institutional determinations that can interfere in the way in which it is exercised. In some institutions, the patient's entrance door is formed by an already defined practice, characterized as screening, aimed at clarifying the complaint with a view to a referral, without his participation in the process. Faced with such a framework, we ask: how do patients who seek care in the Polyclinics, linked to public health services, have their demand met? Moreover, it is questioned whether the practice practiced is in tune with the socio-cultural and experiential reality of the suffering brought about as a reason for the consultation. Finally, is it feasible to think of ways of doing psychologically that meet the real needs of the population, despite institutional biases? In order to problematize such questions, the research developed had as general objective to understand the experience of psychologists who practice their practice in public polyclinics. For that, the existential phenomenological perspective in Heidegger's way, and the understanding of psychological practice raised by such orientation, and already developed in other researches by professionals linked to such perspective, were taken as references. It was then sought to understand the practice practiced by the psychologists in the Municipal Health Network of Recife-PE that would serve the users of public polyclinics. Three psychologists with more than fifteen years of experience attending these services were interviewed, regardless of age, gender and theoretical orientation. The research was of a qualitative nature, with an existential phenomenology, and used as a strategy to "gather" the experience of the psychologists, the interview / narrative, which presents itself as a possibility to get in touch with the circumscribed dimension of the experiences of the participating professionals. It was also used the diary of the researcher, who contemplated the statements written by her own hand, willing to share her impressions, observations and feelings experienced. For the analysis and understanding of the experiences reported, the "Analytic of the Sense" was used as proposed by Critelli. The research carried out pointed to the insufficiency of academic training to meet the demand of those seeking psychological care in the context of the Polyclinic; As well as for the lack of clarity regarding the psychological activity performed by psychologists in this institution. This difficulty is associated with some discomfort and discomfort in the face of institutional "norms", the lack of an articulated support network and the absence of an interdisciplinary team. Faced with such a context, the research points to a lack of motivation in the face of instituted power and solitary work, signs that may indicate the need to rethink the psychological practice in the context of public health.
Palavras-chave: psicologia clínica
fenomenologia existencial
práticas psicológicas
escuta (psicologia)
entrevistas em psicologia - Recife (PE)
psicanálise
dissertações
clinical psychology
existential phenomenology
psychological practices
listening (psychology)
interviews in psychology - Recife (PE)
psychoanalysis
dissertations
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Universidade Católica de Pernambuco
Sigla da instituição: UNICAP
Departamento: Psicologia Clínica
Programa: Mestrado em Psicologia Clínica
Citação: SILVEIRA, Maria do Rosário Cavalcanti da. Quando se abre a janela: uma compreensão fenomenológica sobre a prática psicológica em uma Policlínica do Recife-PE. 2016. 88 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) - Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2016.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://tede2.unicap.br:8080/handle/tede/258
Data de defesa: 26-Dec-2016
Appears in Collections:Psicologia Clinica



Items in TEDE are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.